Notícias


Governo rejeita alíquota fixa de 4% para minério e vê chance de acordo


O governo rejeita a mudança, feita no Congresso Nacional, que aumenta os royalties do minério de ferro para uma alíquota fixa de 4%. "É difícil a gente aceitar porque penaliza muito [as empresas]", disse ao Valor o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, em referência às alterações promovidas na medida provisória publicada em julho.

A MP 789 elevou os royalties, mas por meio de uma tabela progressiva, conforme a cotação do minério no mercado internacional. Hoje a alíquota é de 2% das receitas líquidas com a extração de ferro. A proposta do governo trocava o critério para faturamento bruto, excluindo despesas como frete, e envolvia um sistema de "bandas" para o minério.

A alíquota ficaria em 2% quando o preço internacional estiver abaixo de US$ 60 por tonelada, mas subiria gradualmente - com três faixas intermediárias - até atingir 4% nos momentos em que a commodity passar de US$ 100.

O texto original foi modificado pelo relator da MP, deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), que definiu uma alíquota fixa de 4% para o metal. A mudança atende a pedidos dos municípios mineradores, principalmente no Pará e em Minas Gerais, que ficam com 65% de todo o caixa gerado com a Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem).

"O escalonamento é mais justo economicamente com todo mundo, mas o Congresso tem toda a legitimidade para fazer essas mudanças", afirma Coelho Filho.

Sem dizer taxativamente se o ministério recomendaria ou não veto presidencial à alíquota de 4%, ele confirma a existência de negociações para um acordo em torno de um percentual fixo de 3% - uma espécie de meio-termo entre a proposta original do governo e o relatório do deputado.

Uma preocupação é com o prazo de vigência da MP, que expira no dia 28. Ela ainda precisa ser aprovada na Câmara e no Senado. Levando em conta o feriado de quarta-feira, que praticamente paralisa as atividades do Congresso, restaria pouco mais de uma semana para completar a tramitação. "A informação que eu tive da Câmara é que ela votaria", diz o ministro, confiante em que a proposta não vai caducar.

Outras duas medidas provisórias do setor estão na mesma situação. A MP 790 estabelece 23 mudanças no atual Código de Mineração, que está em vigência desde 1967, como o prazo de duração das pesquisas para novas jazidas e a responsabilidade expressa do minerador de recuperar áreas ambientalmente degradadas. Já a MP 791 cria a Agência Nacional de Mineração (ANM), no lugar do DNPM, responsável atualmente pela regulação e fiscalização do segmento.

Fonte: Valor Econômico
Publicada em:: 13/11/2017

    

Eventos

Fotos dos Eventos

Confira as fotos dos últimos eventos