Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

13º ConstruBussiness: proposta da FIESP é aceita por vice-presidente

10.12.2019 | | ABIFER News

No último dia 2, aconteceu a 13ª edição do ConstruBusiness – Congresso Brasileiro da Construção, organizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). O evento, que contou com a presença do vice-presidente da República, General Antonio Hamilton Martins Mourão, mostrou que o setor da construção é um dos principais motores para dar impulso à retomada do crescimento da economia. A participação dessa cadeia no Produto Interno Bruto (PIB), que chegou a 12% entre 2012 e 2014, passou para 7,9% em 2018, em razão da crise e da paralisação de diversas obras por todo o País.

O presidente da FIESP e do CIESP, Paulo Skaf, reforçou a necessidade de se dar continuidade às reformas estruturais do país, além de resolver as obras paradas e essenciais para São Paulo, como estações do Metrô e monotrilhos.

O estudo Obras Paradas: desperdício de recursos e futuro, realizado pela FIESP e divulgado durante o evento, mostra que para voltar ao patamar anterior e, assim, atender as demandas sociais e de expansão econômica sustentada do país, R$ 981 bilhões por ano devem ser investidos até 2030.

A proposta de criação de um grupo de trabalho para que o governo analise a viabilidade de retomada e finalização de obras paradas, tema do estudo técnico, foi aceita pelo vice-presidente da República. Ele afirmou que formará o grupo com o compromisso do governo fazer todo o possível para atender à solicitação.

Propostas

O estudo da FIESP elenca alguns dos principais motivos para o atraso e a paralisação de obras no Brasil: morosidade na obtenção do licenciamento ambiental; falhas em estudos, projetos de engenharia, processos de licitação e de contratação; problemas nos processos de desapropriação e reassentamento; insegurança jurídica dos responsáveis pelos contratos, entre outros. “Este é um gargalo que precisa ser superado”, esclarece Paulo Skaf. “Precisamos iniciar um círculo virtuoso de obras entregues no prazo, gerando emprego, infraestrutura e desenvolvimento”

O presidente da ABIFER, Vicente Abate, acompanhou todo o evento e também recebeu um exemplar do estudo Obras Paradas: desperdício de recursos e futuro.

Para acesso estudo, clique aqui.