Av. Paulista, 1313 - 9º Andar - Conjunto 912 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Dia do Maquinista é comemorado em meio à alta do setor ferroviário

21.10.2021 | | Notícias do Mercado

Fonte: Mobilidade Sampa
Data: 20/10/2021

Neste momento em que o setor ferroviário brasileiro está em alta, com novos projetos a caminho – tendo em vista a aprovação do Marco Legal das Ferrovias -, comemora-se nesta quarta-feira, dia 20 de outubro de 2021, o Dia do Maquinista. Ao conduzir um trem, seja de cargas ou de passageiros, esse profissional colabora com a transformação da logística do país.

A VLI, empresa que administra a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), possui em seus quadros maquinistas que carregam o orgulho de serem ferroviários e auxiliarem o Brasil no transporte de suas inúmeras riquezas. Essa antiga profissão, muitas vezes transmitida de geração em geração, a cada ano que passa também conta com uma participação maior do público feminino. É o caso da maquinista Tylie Sianni, de 31 anos, que atua em Santos.

Ela conta que ingressou na ferrovia em 2012, como auxiliar de maquinista. Se tornou maquinista em 2015 e, em setembro deste ano, ingressou na VLI. “A vontade de fazer parte desta atividade surgiu quando vi uma reportagem sobre a inclusão de mulheres nesta profissão. Ser maquinista é um sonho. Mesmo já estando na profissão há alguns anos, ainda é como se estivesse começando. A cada dia há um desafio diferente. Nenhum dia é igual ao outro. O que nos motiva é o trabalho diário. Levamos várias riquezas do Brasil e movimentamos a economia do nosso país”, ressalta.

Tylie Sianni afirma que a companhia trata todas as pessoas de forma igualitária. “Acredito que lugar de mulher é onde ela quiser. Eu me sinto abraçada e desempenho as mesmas tarefas que os homens. Tenho várias amigas ferroviárias e tenho certeza que as incentivo a um dia se tornarem maquinistas. Algumas pessoas não sabem como trilhar esse caminho. A ferrovia é para quem gosta e é um sonho. Caso não dê certo na primeira oportunidade, não desista. Eu mesma demorei um tempo para conquistar minha vaga na VLI, mas sempre soube que um dia conseguiria. Lutem pelos seus sonhos!”, incentiva.

Publicidade

Segundo ela, dará um passo de cada vez na carreira. No entanto, revela seu desejo de se tornar uma maquinista monitora. “Tenho grande vontade de ensinar o que aprendi para outras pessoas”.

Formação

Segundo a supervisora de Atração e Seleção da VLI, Kenya Consceição, a formação dos profissionais, principalmente das áreas operacionais, como é o caso dos maquinistas, é feita pelas próprias empresas. “O ofício é ensinado dentro da companhia, que investe nessa formação de mão de obra qualificada”.

Para se transformar em um maquinista, o profissional pode começar na VLI como trainee operacional. Após um ano nessa função, ele é efetivado como operador de manobra (também é possível ingressar diretamente nesse cargo). A partir de então, é necessário ficar, em média, por três anos nesse cargo para, em seguida, passar a trainee de maquinista de manobra. A etapa posterior é um treinamento que pode variar de três a seis meses, cumprindo 240 horas de operação assistida e aprovação em provas técnicas. Superada essa fase, ocorre a efetivação como maquinista de manobra.

Há ainda a carreira do maquinista de viagem, que também tem início como trainee operacional ou direto como operador de manobra. Depois de aproximadamente três anos nessa função, o profissional se torna trainee de maquinista de viagem, ficando de três a seis meses em treinamento e 360 horas em operação assistida. Ao fim da formação, o profissional se torna maquinista I, podendo trilhar carreira até maquinista IV.