Av. Paulista, 1313 - 9º Andar - Conjunto 912 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Obra em ferrovia é aposta para elevar volume de carga

16.11.2021 | | Notícias do Mercado

Fonte: Valor
Data: 16/11/2021

Um novo contorno ferroviário da Serra do Tigre, entre os municípios de Patrocínio e Sete Lagoas (MG), é a principal aposta de empresários capixabas para dinamizar o fluxo de cargas – principalmente do agronegócio – em direção aos portos do Espírito Santo. A obra está sendo discutida no âmbito da prorrogação antecipada, por 30 anos, do contrato de concessão da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA). A concessão atual expira em agosto de 2026.

Essa obra não está na proposta original de renovação do contrato, que foi colocada em audiência pública. A Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) aponta que o investimento – cerca de R$ 2,8 bilhões – seria capaz de elevar a movimentação de cargas por meio desse corredor logístico para 22 milhões de toneladas anuais em 2035. É o triplo das 7 milhões de toneladas anuais projetadas para duas décadas depois, em 2055, sem a criação da nova infraestrutura.

Uma das críticas ao modelo de privatização da Codesa, que administra os portos de Vitória e Barra do Riacho, é sobre a suposta subestimativa de demanda nos estudos oficiais. De fato, as previsões não incluem o contorno da Serra do Tigre como uma das contrapartidas exigidas na renovação antecipada da FCA.

O Valor apurou que o Ministério da Infraestrutura ainda não se convenceu sobre o projeto defendido pela Findes. A prioridade da pasta é exigir da concessionária um investimento “cruzado” na construção de um trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), entre a Bahia e Tocantins, conectando-a com a Norte-Sul.

O novo contorno da Serra do Tigre, ao fazer com que trens não mais precisem subir a montanha, permitiria um aumento da velocidade média das locomotivas dos atuais 12 km/h para 45 km/h, além do consumo de combustível 30% menor. O custo do frete cairia 7,5%, conforme estudo da Fundação Dom Cabral, encomendado pela Findes. Seria um ganho para produtores de grãos, especialmente de Minas e Goiás.

“É imprescindível que os recursos da outorga [da FCA] sejam aplicados prioritariamente no corredor existente, onde muito dinheiro público e privado já foi investido”, afirma a presidente da federação industrial, Cris Samorini. Para ela, é importante haver o aprimoramento e a utilização plena de capacidade da malha, para somente depois direcionar recursos para outros corredores.

Além dos portos administrados pela Codesa, outros dois terminais privados estão no planejamento do Espírito Santo: o Porto Central (em Presidente Kennedy) e a Petrocity (São Mateus). Além deles, o Porto da Imetame Logística (em Aracruz) está em obras.