Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

SuperVia volta a pedir apoio financeiro do Governo para continuar a prestar serviço

28.07.2020 | | Notícias do Mercado

Concessionária afirma estar transportando somente 50% da quantidade de passageiros em dia normal, o que tem afetado suas receitas

 

Foto: Divulgação SuperVia

A SuperVia, concessionária responsável pelo transporte de passageiros nos trens do Rio de Janeiro, volta a apontar dificuldades financeiras, podendo interromper as atividades no final do mês de agosto.

Em nota divulgada para a imprensa, a empresa explica que atualmente vem transportando 300 mil passageiros por dia, o que representa 50% da quantidade de pessoas em dias normais de antes da pandemia.

Além disto, a concessionária registra uma perda de 36 milhões de passageiros ao longo da crise causada pelo coronavírus. Essa queda de demanda representa R$ 133 milhões, que se junta a uma inadimplência de 80% dos locatários de lojas e quiosques em estações.

Com este impacto negativo, a SuperVia cobra novamente uma ajuda financeira do poder público, seja em forma de repasse, abatimento ou outra maneira que busque diminuir os impactos causados no setor.

A concessão do sistema de trens urbanos no Rio de Janeiro não tem subsídios por parte do poder concedente (Estado). Os lucros e a arrecadação provém principalmente da tarifa cobrada.

O presidente da SuperVia, Antonio Carlos Sanches, frisou que a recuperação do cenário anterior ao coronavírus vai demorar e as contas da SuperVia seguem inalteradas, em contraste com uma receita inferior ao necessário.

Pelo cenário que temos analisado, concluímos que vamos demorar bastante tempo para transportar a quantidade de clientes de antes da pandemia, quando viajavam 600 mil passageiros pelos nossos trens. A perda de receita tarifária é muito grande, os gastos fixos permanecem e não trabalhamos com subsídio do governo. Por isso, precisamos de um urgente apoio financeiro do poder público para continuarmos operando por toda a Região Metropolitana do Rio de Janeiro depois de agosto.”

 

Fonte: Diário do Transporte

Data: 27/07/2020