Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Equipe de Bolsonaro delega área de infraestrutura a militares da reserva

25.09.2018 | | Não categorizado

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) decidiu entregar a militares a área de infraestrutura do governo caso seja eleito presidente.

Na última segunda-feira (17), o guru econômico do presidenciável, Paulo Guedes, teve seu primeiro encontro com o chamado Grupo de Brasília, que reúne militares da reserva interessados em ver suas propostas implementadas em um governo Bolsonaro.

As reuniões, realizadas a portas fechadas no hotel Brasília Imperial, na capital federal, foram a primeira tentativa de unir as equipes que orbitam ao redor de Bolsonaro e que, faltando poucos dias para a eleição, ainda trabalham desarticuladas.

O senso de urgência de consolidação de um projeto de governo se deu diante da melhora de desempenho nas pesquisas. Além da área de infraestrutura, as equipes trabalham na construção de um plano mais amplo como base de um eventual governo.

O primeiro diagnóstico é que, para o desenvolvimento de grandes projetos, a crise fiscal tem que ser enfrentada imediatamente e, por isso, estão sendo detalhadas propostas de reforma da Previdência e tributária, alem de desestatizações. Essas iniciativas estão sendo desenvolvidas sob liderança de Guedes.

Os militares, por sua vez, assumiram a liderança nas áreas de infraestrutura e regulação.

Os temas vinham sendo discutidos separadamente por Guedes e pelo Grupo de Brasília. Mas, depois da reunião da última segunda, o tema passou às mãos do grupo liderado pelo general da reserva Osvaldo Ferreira, do qual também fazem parte os generais Augusto Heleno e Aléssio Ribeiro Souto, além do professor da UnB (Universidade de Brasília) Paulo Coutinho.

Uma sala de eventos do hotel tornou-se uma espécie de QG do grupo, que intensificou as reuniões depois que Bolsonaro foi hospitalizado. Eles avaliam que, com o afastamento do capitão reformado, as ações propositivas ficaram paralisadas, e passou a ser necessário municiar o candidato a vice, o general da reserva Antônio Hamilton Mourão, em suas aparições.

Ferreira, cotado para assumir o Ministério dos Transportes caso Bolsonaro vença, trabalha no programa de infraestrutura desde setembro do ano passado. Formado na Academia Militar, desempenhou funções de engenharia durante sua passagem pelo Exército, principalmente em obras na Amazônia.

O grupo tem como meta terminar projetos em andamento e colocar em análise as cerca de 3.000 obras do governo federal que, segundo seu diagnóstico, estão paradas.

A pretensão é partir do plano de obras e concessões já pronto, elaborado pela EPL (Empresa de Planejamento e Logística), para concluir panejamento já feito por técnicos do governo federal.

O mantra da equipe é que tudo o que está paralisado merece ser continuado.

São exemplos de projetos que receberão atenção a BR-163, que liga o Centro-Oeste a Santarém, a Transnordestina, a Ferrovia Norte-Sul e Angra 3.

O grupo também pretende converter concessões em autorizações, como forma de acelerar desestatizações. O processo funcionaria principalmente para rodovias, que seriam leiloadas em bloco para a administração privada.

A navegação de cabotagem e o setor de telecomunicações são outros que estão na linha de frente. A equipe de Bolsonaro pretende acelerar a tramitação no Congresso das regras de devolução de ativos à União, pelas empresas de telefonia que obtiveram concessões nos anos 1990.

A avaliação é que isso está freando investimentos na área e impedindo o desfecho de uma solução para a Oi. Também sob o guarda-chuva de Ferreira estão os planos para as agências regulatórias.

A ideia é que o programa de privatização tenha como estratégia ampliar a venda de ativos de estatais, como subsidiárias de Banco do Brasil, Caixa e Petrobras, sem se desfazer do controle das empresas.

O economista também coordena a área tributária, em que a criação de um imposto único nos moldes de uma nova CPMF foi proposta.

Após reação política à proposta, Guedes cancelou participação em eventos, como um do banco Credit Suisse, nesta quinta (20).

Pessoas ligadas a Bolsonaro dizem que há estudos também de uma alternativa menos drástica, de unificar apenas tributos federais para a criação de um IVA (imposto sobre valor agregado), que reuniria PIS, Cofins, IPI e CSLL. O norte das mudanças, dizem, é a simplificação tributária.

Fonte: Folha de S. Paulo
Data: 21/09/2018