Av. Paulista, 1313 - 9º Andar - Conjunto 912 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Expresso Bandeirantes – Lula e Serra discutem verba federal para expressos em SP

27.07.2007 | | ABIFER News

A participação federal na construção do Expresso Bandeirantes – trem rápido de ligação entre a capital e Campinas, com passagem pelo Aeroporto de Viracopos e Jundiaí – será tema de reunião entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador José Serra na próxima semana. Na pauta do encontro também estará o Expresso Aeroporto, que fará a ligação com o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos. Ontem o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, disse que o governo está preparando medidas para facilitar o acesso rodoviário a aeroportos como Viracopos e Cumbica, que são as alternativas para desafogar o movimento em Congonhas. ‘Falamos com o presidente sobre isso, e ele pediu que tomássemos providências para facilitar ao acesso aos aeroportos’, disse Nascimento. O ministro, entretanto, não quis adiantar quais medidas poderão ser tomadas. Limitou-se a dizer que terá ‘novidades sobre isso na próxima semana’. O Plano Nacional de Logística e Transporte, do Ministério dos Transportes, prevê R$ 41,6 milhões para a ampliação do terminal de cargas domésticas do Aeroporto de Viracopos, além de R$ 268,5 milhões para ampliação do terminal de cargas internacionais e R$ 254,3 milhões para o terminal de cargas domésticas do Aeroporto de Cumbica. A ligação ferroviária rápida entre a Região Metropolitana de Campinas e a capital é discutida há mais de 25 anos. ‘ESTABILIDADE ECONÔMICA’ Para o presidente da Agência de Desenvolvimento de Trens Rápidos entre Municípios (AD-Trem), Guilherme Quintella, ‘a estabilidade econômica (do País) é fundamental para a estruturação de investimentos com prazos maiores, ampliando a possibilidade de viabilização das PPPs para as grandes obras’. Segundo o Departamento do Saneamento e Transportes do BNDES, o trem do aeroporto, via parceria público-privada (PPP), precisaria de pouco recurso público. ‘O governo federal tem que participar porque no sistema sobre trilhos de São Paulo, nós transportamos 75% do movimento de passageiros do Brasil, CPTM mais Metrô. O governador José Serra está indo semana que vem falar com o presidente Lula acertar a participação do governo federal’, disse o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos José Luiz Portella. Segundo Portella, um dos grande interessados no Expresso Bandeirantes é a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). ‘(Eles) têm um interesse muito grande no movimento de cargas entre Viracopos e Cumbica. Com isso, a gente faz uma junção total: sai a carga que hoje vem geralmente por caminhão, e você vem de lá e pode chegar a Cumbica a carga’, explicou. Entretanto, esse projeto ainda está na fase embrionária. Estudos mostram que a construção dessa estrada de ferro custará em torno de R$ 2,7 bilhões, sendo R$ 2 bilhões para obras de infra-estrutura, desapropriações, construção de vias, viadutos, pontes, passagens e túneis, além de R$ 700 milhões para compra de trens. Pode-se usar parte da Linha A da Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos (CPTM), que vai de Jundiaí-Franco da Rocha, até o terminal Barra Funda, na capital. De Jundiaí até o centro de Campinas acompanharia a faixa de concessão da Ferrovia Bandeirantes (Ferroban). ‘O grande interesse comercial dessa linha é o transporte de cargas. É uma exploração nova que é a movimentação de cargas entre Viracopos e Cumbica, que hoje é feito por estradas. Pode ser feita conexão com a Linha A, e depois para o Expresso Aeroporto’, previu Portella. ‘Nós podemos fazer essa linha para Guarulhos se houver participação (federal), e se todos entrarem com recursos. E o governo do Estado está disposto a participar dessa e da (linha) que poderia vir de Viracopos, que não deve se restringir a São Paulo, mas deve ser mais ampla, para conectar aeroportos’, disse Serra. Pelo estudo, o trem percorrerá 93 quilômetros entre Campinas e São Paulo em cerca de 50 minutos, com uma parada em Jundiaí, e a tarifa cobrada seria de US$ 5,72 (valor projetado em 2005). A velocidade máxima do trem seria de 160 km/h, e a média, de 110 km/h. O intervalo médio entre um trem e outro ficaria entre sete e dez minutos. O trem sairia do centro de Campinas até um terminal na Barra Funda, em São Paulo. Um novo estudo avalia a possibilidade de incluir paradas nos Aeroportos de Viracopos e Cumbica. Os trilhos seriam construídos – em alguns trechos – ao lado de trilhos já existentes da Linha A da CPTM, mas que hoje são utilizados para o transporte de cargas. A demanda diária estimada seria de 55 mil passageiros por dia na fase inicial e de 89 mil passageiros /dia no final do primeiro prazo de concessão, de 30 anos, renováveis. Já o andamento do projeto do Expresso Aeroporto ganha embalo depois de ficar mais de dois anos na gaveta. A primeira audiência pública do projeto será realizada em setembro. Em seguida será aberta a licitação e a previsão é definir o vencedor até maio de 2008. A conclusão da obra é esperada para 2010. ‘São R$ 580 milhões para o Expresso Aeroporto, que representam 17% (do valor total). Nós vamos colocar 45% e a iniciativa privada coloca o resto, porque é uma PPP (parceria público-privada)’, explicou. 2,7 bi de reais é o custo estimado do trem que ligaria a capital a Campinas, numa viagem de cerca de 50 minutos