Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Muito prazer, somos a FIESP

24.01.2020 | | Notícias do Mercado

 

Paulo Skaf, presidente da FIESP, CIESP, SESI, SENAI e IRS

Achar nosso endereço é fácil: qualquer um que já tenha passado pela avenida Paulista sabe onde fica o prédio da FIESP. Nosso trabalho também é conhecido: somos a mais importante entidade representativa do setor produtivo. Além disso, administramos o SESI e o SENAI de São Paulo, referências em educação, esporte, cultura, formação profissional, inovação e tecnologia.

A FIESP é também uma casa aberta. Todos os dias 3.500 pessoas circulam por nossa sede, entre empresários, funcionários, autoridades brasileiras e estrangeiras, personalidades, jornalistas e visitantes. Todos são bem recebidos. Apesar disso, algumas pessoas que participam do debate público insistem em demonstrar certa incompreensão sobre o que fazemos.

Os leitores desta Folha, por exemplo, depararam-se nas últimas semanas com quatro textos sobre a FIESP que causam estranheza, e por que não dizer, indignação em quem conhece e vive nosso dia a dia.

Um dos textos, o mais obtuso, perguntava se a Fiesp é “fascista”. Chega a ser ridículo demais para comentar. Outro, denunciava uma suposta “militarização recente” da entidade com o objetivo de se aproximar do governo federal. Baseava-se no fato de que temos em nosso quadro quatro oficiais de alta patente da reserva em postos de confiança. Desconsiderava, porém, que são quatro em 16 mil funcionários da FIESP, CIESP, SESI, SENAI e IRS. E que três deles estão contratados há sete anos. Outro texto, analítico, dizia que a única ação política possível a um industrial é a “participação no jogo patrimonialista”. Difícil engolir uma crítica dessas de um expoente do PT. Por fim, fomos surpreendidos por um artigo apocalíptico que anunciava nada menos que a “morte” da FIESP (!!!???).

Ao que parece, alguns estão se sentindo incomodados.

A FIESP está mais viva do que nunca. É uma entidade pulsante, que trabalha pelo Brasil e enfrenta os desafios do futuro. Nos últimos anos, recuperamos nosso lugar como principal porta-voz dos setores produtivos. Temos orgulho disso.

Recuperamos também o SESI e o SENAI de São Paulo. Quando assumimos, o SESI estava fechando escolas. Revertemos este absurdo e fomos além: construímos mais de uma centena de grandes e moderníssimas escolas pelo estado, com ensino em tempo integral e robótica. Investimos em esporte e cultura. No SENAI, renovamos todos os equipamentos e laboratórios. Hoje temos mais de 1.500 cursos, da aprendizagem industrial à pós-graduacão, todos com foco em tecnologia e inovação. No total, são mais de um milhão de matrículas por ano.

A sequência de críticas estampadas nesta Folha, que ninguém se engane, tem como pano de fundo a aproximação que houve no ano passado entre a FIESP e o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Apoiamos o governo Bolsonaro? Sim. Ele promove a agenda econômica que sempre defendemos, de controle de gastos públicos, reformas estruturais, redução de juros, desburocratização… Bolsonaro colocou o país no rumo certo e tem dado demonstrações concretas de estar comprometido com o crescimento e com a geração de empregos.

Engana-se quem pensa que a FIESP não é, nem deve ser, uma entidade política. Deve sim. Ela é política, mas não partidária. Por isso, assumimos publicamente nossas posições e a defesa dos setores produtivos, do emprego e do bem do Brasil.

Não temos medo de lutar pelo que acreditamos. Foi assim que lideramos as mais importantes campanhas do país nos últimos anos. Derrubamos a CPMF, barramos o aumento de impostos, combatemos os juros altos… Quando percebemos que a gestão da presidente Dilma Rousseff levaria o país ao abismo, tivemos a coragem de ser a primeira entidade a apoiar a população brasileira e o impeachment.

Uma FIESP indecisa e sem voz perde a razão de ser. Era assim quando assumimos. Nunca concordamos com isso. Atacar nossa entidade por ter posicionamento político só interessa a quem não tem compromisso com os setores produtivos nem com o Brasil. Ou a quem se deixa consumir pelo recalque e pela inveja.

Todos que querem participar da vida da FIESP são bem vindos. Hoje, são cerca de 6 mil dirigentes empresariais voluntários. Lideranças importantes em suas empresas, setores e entidades.

Nossas posições são claras, firmes e transparentes, sempre em defesa do bem do Brasil. Essa é a nossa FIESP.

 

Fonte: Folha de SP

Data: 22/01/2020