Av. Paulista, 1313 - 9º Andar - Conjunto 912 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Sesc MG repassa locomotivas e vagões para linha férrea de Viçosa e região

23.02.2021 | | Notícias do Mercado

Máquinas ainda não foram retiradas pelo Circuito Serras de Minas

 

Foto: acervo pessoal

O Serviço Social do Comércio de Minas Gerais (Sesc-MG) repassou, via termo de doação, 6 itens do patrimônio da instituição para serem utilizados pelo Circuito Turístico Serras de Minas na revitalização da linha férrea.

O documento contempla o repasse de 3 locomotivas a diesel; 2 vagões, sendo um do tipo gôndola e um correio/bagageiro; e um auto de linha, que serão adaptados para o transporte de passageiros. A assinatura aconteceu no dia 16 de dezembro do ano passado entre o Sesc e a Associação dos Municípios que compõem o Circuito Turístico Serras de Minas.

Uma das locomotivas doadas para o Circuito (Foto: acervo pessoal)

O maquinário está armazenado em um galpão, na cidade de Campos, no estado do Rio de Janeiro. A retirada dos maquinários é de responsabilidade da donatária que, até o momento, não trouxe para Minas Gerais a doação. O ex-presidente do Circuito Serras de Minas, Sérgio Vitarelli, explica que a mobilização começou no ano passado: “estamos juntando recursos para o transporte, uma vez que estimamos um gasto de quase 70 mil reais nessa operação”.

RESGATE HISTÓRICO E ECONÔMICO

A proposta do Circuito Turístico Serras de Minas é reativar a linha férra no trecho entre a capital Belo Horizonte e o Porto do Açu, no município de São João da Barra, localizado na região norte do estado do Rio de Janeiro. Em terras mineiras, a linha passa por cidades como Ouro Preto, Mariana, Acaiaca, Ponte Nova, Teixeiras, Cajuri, Coimbra, São Geraldo, Ubá, Cataguases e Juiz de Fora.

Em julho do ano passado, um convênio assinado pela Prefeitura de Viçosa deu início ao processo de revitalização de 6 km da linha férrea da antiga Ferrovia Leopoldina, entre Viçosa e Cajuri. Assim que o trecho for finalizado, vai receber as locomotivas e vagões doados, para já iniciar a operação. “Defendemos recuperar tanto a história quanto o desenvolvimento das cidades, uma vez que as ferrovias foram e ainda são importantes para a economia das cidades”, finaliza Sérgio.

 

Fonte: Folha da Mata

Data: 20/02/2021