Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Um trem ao longe… e cada vez mais perto

20.11.2019 | | Notícias do Mercado

O TCU discute a prorrogação antecipada do contrato de concessão da ferrovia. Pelo contrato original, o trecho foi concedido à Rumo Logística até 2028. A possibilidade de prorrogação até 2058 está sendo analisada desde agosto de 2018.

 

Nós, signatários desse artigo, nascemos, crescemos e construímos nossas trajetórias políticas em São Paulo – a maioria de nós no interior do Estado. Todos temos em nossas memórias, portanto, fortes lembranças de um trem chegando ou partindo. Tais recordações podem ser doces, do tempo em que o desenvolvimento econômico dos municípios girava em torno da ferrovia, mas também guardar certo amargor, de uma época em que se telefonava de casa antes de ir à estação para embarcar, tamanha a quantidade de horas que os trens atrasavam, e da crise financeira e de gestão que viveu a antiga Rede Ferroviária Federal antes da privatização.
Vagões e locomotivas estão há muito tempo em nossas vidas, mas é chegada a hora de uma ampla modernização da ferrovia por onde circulam. A proposta de renovação antecipada da concessão da Malha Paulista, solicitada pela concessionária Rumo à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e ora em avaliação pelo TCU (Tribunal de Contas da União), é a oportunidade para que isso aconteça.
Uma vez aprovada a prorrogação, pioneira entre as pedidas em outras partes do País, o contrato originalmente previsto para terminar em 2028 se estenderia por mais três décadas, até 2058. Com isso, a Rumo teria horizonte para investir R$ 7 bilhões na malha que corta São Paulo. Isso é bom? Sim, para o País, para o Estado, para as cidades, para quem vive nelas. É daquelas ocasiões singulares em que todos saem ganhando, sem que ninguém precise perder para isso.
Embora do ponto de vista estrutural a Malha Paulista de nossas reminiscências seja a mesma, tudo ao redor dela mudou – incluindo o mundo. A antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro foi constituída em 1868, criada para escoar café até Santos, à época (e por várias décadas) o principal, senão único, produto de exportação do Brasil. Em 1909, por exemplo, o total recorde de 787,8 mil toneladas embarcadas do produto representou 98% das exportações do País.
Mas tanto nossas principais commodities de exportação quanto a fronteira agrícola brasileira passaram por transformações radicais nas últimas décadas. Em vez de café para Estados Unidos e Europa, hoje vendemos grãos para a Europa e a Ásia em quantidades muito mais expressivas. Em 2018, foram exportadas 83,8 milhões de toneladas de soja e 23,9 milhões de toneladas de milho, contra apenas 1,8 milhão de toneladas de café. O estado produtor número 1 de café não é mais São Paulo, e sim Minas Gerais. E a produção de grãos, que se expande a passos largos para o Norte, tem o Mato Grosso encabeçando a lista.
Nossas cidades, por sua vez, deixaram de ser polos eminentemente agrícolas e vivem da pujança de seu comércio, de seus serviços, de suas indústrias. No entanto, os trilhos e, por consequência, os trens continuam a cortar municípios como se ainda vivêssemos no século 19 ou na primeira metade do século passado. A renovação da Malha Paulista abre espaço para mudar esse cenário, hoje e para sempre. Entre as contrapartidas pactuadas no caderno de obrigações, encontram-se obras em pelo menos 35 municípios paulistas – leia-se viadutos, passarelas, pontes, reativação de ramais e até contornos ferroviários.

Em São José do Rio Preto, um contorno de 54 quilômetros tirará as composições que passam diariamente por dentro da cidade. Em Araraquara já existe um contorno desde 2008, mas trens continuam tendo de entrar porque há uma oficina e um posto de abastecimento no município – com a renovação, as duas estruturas serão reconstruídas fora do perímetro urbano.
A obras como essas, se somarão a reativação de dois ramais: Bauru/Tupã/Panorama e Pradópolis/Colômbia. O primeiro tem 369 quilômetros; o outro, 300 quilômetros. Panorama está próxima do Mato Grosso do Sul, na região de Presidente Prudente. Já Colômbia fica no norte paulista, na região de Barretos (SP) e limítrofe ao estado de Minas Gerais. Ambos se conectam à Malha Paulista, com potencial para atender um duplo fluxo: exportação do agronegócio (até Santos) e circulação de produtos para o mercado interno.
Obviamente, a redução dos conflitos urbanos é apenas parte de um plano de negócios maior, que vai muito além do que as 35 cidades atendidas necessitam. Hoje, além de passar por zonas urbanas, a Malha Paulista tem trechos inadequados, rampas acentuadas e baixas velocidades. São características típicas de uma ferrovia construída no século 19, que precisa urgentemente de uma reestruturação.
Se hoje a ferrovia paulista representa um corredor imprescindível para que o agronegócio nacional chegue até Santos e de lá navegue para o mundo, também é cada vez mais clara sua vocação para atender ao mercado interno. A circulação de contêineres sobre trilhos aumenta dia a dia, transportando, no sentido inverso da soja e do milho, itens como frango congelado, bebidas, fertilizantes, produtos de limpeza, peças automotivas, cerâmicas… É a indústria do Estado sendo, finalmente, atendida por uma de suas principais artérias: a nova Malha Paulista de ferrovias.
Os investimentos atrelados à renovação vão tornar essa operação mais eficiente, mais produtiva e mais segura. A Malha Paulista tem capacidade para movimentar atualmente 30 milhões de toneladas por ano; passará a transportar 75 milhões de toneladas por ano. A importância dessa mudança de patamar para a indústria paulista e para a balança comercial brasileira é incalculável.
O trem ficará mais distante das cidades, porém mais perto de desempenhar seu verdadeiro papel no século 21: movimentar grãos, bens de consumo e produtos industriais em grande quantidade e por longas distâncias. A proposta da ANTT é que as obras de redução de conflitos urbanos estejam concluídas até 2028; a concessionária planeja realizar a maior parte delas antes disso, nos primeiros cinco anos após a prorrogação. Da parte dos que assinam esse artigo, o apoio para que isso ocorra é irrestrito. Deveria ser igual em todo o País.

 

Fonte: Poder 360

Data: 20/11/2019