Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Para Doria, se fábricas pararem, haverá colapso não só em SP

24.03.2020 | | Notícias do Mercado

O governo afirmou ainda que não se pode ter um blecaute em construção ou nas obras públicas

 

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez um apelo ontem para que dirigentes de fábricas do Estado observem todos os cuidados e protocolos de saúde a fim de garantir a segurança dos trabalhadores, mas também para que não parem a produção e continuem a operar. “Se as fábricas pararem, teremos um colapso, não só em São Paulo”, disse ele, destacando a importância do parque industrial paulista para todo o país.

Doria fez também um apelo específico ao setor da construção civil para que, observando as determinações das vigilâncias sanitária e de saúde, deem continuidade aos projetos, especialmente em setores essenciais. “Não podemos ter um blecaute em construção ou nas obras públicas.”

Para facilitar a movimentação das tropas de segurança, bombeiros, policiais militares e civis fardados terão acesso gratuito ao transporte público, anunciou Doria. As medidas valerão em todo o Estado e foram informadas em entrevista coletiva para detalhar novas ações de enfrentamento à pandemia do coronavírus.

Doria também anunciou medidas para assegurar o fluxo do transporte de cargas em estradas do Estado e nas ligações rodoviárias com outras unidades da federação. Nesse sentido, fez um apelo aos prefeitos para que não bloqueiem estradas e não limitem acessos aos postos de combustíveis.

O governador pediu a atenção dos caminhoneiros em relação à contribuição da categoria para que o abastecimento, especialmente de itens essenciais, não entre em colapso. Por conta disso, anunciou que estarão suspensos os sistemas de pesagem nas rodovias. Postos de combustíveis estão entre os estabelecimentos que devem continuar atendendo à população. Esses estabelecimentos também poderão seguir com a oferta, em suas lojas de conveniência, de itens de alimentação e não perecíveis. Mas está vedado o atendimento em mesas e balcões. As compras devem ser preparadas para o cliente levar.

 

Fonte: Valor

Data: 23/03/2020