Av. Paulista, 1313 - 8º andar - conjunto 801 (11) 3289-1667 abifer@abifer.org.br
pt-bren

Vale mantém meta de produção mesmo com coronavírus e chuvas

14.02.2020 | | Notícias do Mercado

Mineradora planeja produzir entre 340 milhões e 355 milhões de toneladas de minério de ferro em 2020

 

A Vale confirmou ontem que mantém inalterada a meta de produção de minério de ferro para 2020, apesar das incertezas provocadas pela epidemia de coronavírus na China, o principal mercado da mineradora, e pelas chuvas que atingiram Minas Gerais, onde se situa parte das minas da empresa. A companhia prossegue com o planejamento de produzir neste ano entre 340 milhões e 355 milhões de toneladas de finos de minério de ferro, seu principal produto.

A manutenção da meta foi bem recebida pelos investidores, que temiam redução nas projeções para 2020 depois dos cortes de produção registrados em 2019, ano da tragédia de Brumadinho. Ontem a Vale informou que produziu cerca de 302 milhões de toneladas de minério de ferro no ano passado e vendeu 312 milhões de toneladas, incluindo pelotas. Em 2020, a equação tende a se inverter: a empresa deve produzir mais e vender menos dada a necessidade de recomposição de estoques de minério de ferro na China, como mostrou ontem o Valor.

Também ontem a companhia informou que vai provisionar US$ 671 milhões, no balanço do quarto trimestre de 2019, para fazer frente aos compromissos de “descaracterização” das barragens a montante, do mesmo tipo que se rompeu em Brumadinho e em Mariana (2015). Até dezembro do ano passado, o total provisionado pela empresa para Brumadinho era de US$ 6 bilhões, incluindo US$ 4 bilhões para compensações e reparações e US$ 2 bilhões para desativação das barragens, como disse, em dezembro, à reportagem, o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, no Vale Day, em Nova York. O balanço do 4º trimestre será divulgado no dia 20 deste mês.

Em relatório, o BTG Pactual reconheceu que os investidores estavam preocupados e esperavam uma redução da meta de produção da empresa para 2020. Até o momento a crise do coronavírus não afetou vendas e movimentações da Vale nos portos chineses e as chuvas em Minas Gerais reduziram a produção da companhia em cerca de 1 milhão de toneladas, volume pouco significativo no total da empresa.

Os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner, do BTG, afirmaram que a manutenção até agora da meta de produção para 2020 significa que a empresa terá que entregar um volume “muito forte” no segundo semestre do ano. Tradicionalmente a segunda metade do ano costuma ser mais forte para a Vale em termos de produção em função de demanda de mercado e de questões climáticas. Também ontem a Vale atualizou projeções. A produção de pelotas de minério de ferro caiu de 49 milhões para 44 milhões de toneladas em 2020, enquanto a produção de finos de minério de ferro situa-se entre 63 milhões e 68 milhões de toneladas no primeiro trimestre do ano (ante produção anterior prevista entre 68 milhões e 73 milhões, disse o BTG).

Fontes próximas da companhia afirmam que a Vale tem uma cadeia logística “estendida”, com portos na Ásia e uma frota de navios dedicada a atendê-la, o que lhe garante flexibilidade operacional. Apesar de a companhia não ter sido impactada negativamente até agora, há também certa cautela em relação a eventuais desdobramentos do coronavírus que possam surgir a curto prazo e que neste momento são difíceis de prever. A companhia mantêm, porém, otimismo em relação à contenção da epidemia. Mesmo assim, vem tomando medidas preventivas como manter os funcionários trabalhando em casa na China.

Um aspecto positivo nesse cenário adverso é o crescimento da produção do S11D, no Pará, que vai atingir neste ano a capacidade nominal plena, de 90 milhões de toneladas. A Vale informou ainda que está avançando nas discussões com a Agência Nacional de Mineração (ANM), com o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) e com as empresas de auditoria externa para iniciar testes em minas que estão paralisadas, retomando gradualmente a produção. No total, a Vale tem cerca de 40 milhões de toneladas de minério de ferro paralisadas em Minas Gerais e a meta é conseguir o retorno de 15 milhões desse total em 2020 e de 25 milhões em 2021.

 

Fonte: Valor

Data: 12/02/2020